O rompimento do mundo dos humanos

As pessoas passaram a ler a realidade da mesma forma que leem a Bíblia.

Na minha coluna desta semana, analiso o Nobel da Paz para jornalistas a partir do rompimento da linguagem, no meu ponto de vista a principal determinante para a profunda crise que vivemos.

“O que está em jogo é algo mais profundo: uma mudança na forma de apreensão da realidade, que confronta os pilares que forjaram a imprensa e o funcionamento da sociedade moderna. Por uma série de razões, o verbo que progressivamente passou a mediar uma parcela significativa das pessoas na sua relação com a realidade é “acreditar”. Não mais os verbos iluministas do duvidar, investigar, testar, confrontar, comparar etc. Mas acreditar. É uma mediação religiosa da realidade, determinada pela fé. A crença se antecipa aos fatos, e assim os fatos já não importam. É como se as pessoas passassem a ler a realidade da mesma forma que leem a Bíblia. Esta é a razão que determina a crise da imprensa, da ciência e de outros fundamentos que constituíram a modernidade, baseados na investigação e no questionamento constante, para os quais a dúvida é que move o processo de apreensão da realidade e de construção do conhecimento sobre o mundo.
É claro que essa mudança tem relação com o crescimento de um determinado tipo de religião, no Brasil marcadamente a expansão do neopentecostalismo de mercado, através de denominações religiosas produzidas por essa fase ainda mais predatória do capitalismo. Na minha interpretação, porém, a mediação da realidade pela fé é (não só, mas) principalmente sintoma da transfiguração do planeta pela crise climática. Ainda que a maioria das pessoas não seja capaz de nomear os impactos dessa monumental mudança em suas vidas, todos estão sentindo que o mundo que conhecem se desfaz debaixo dos pés. Mesmo para aqueles que a vida cotidiana sempre foi muito dura, a dureza desconhecida é ainda mais brutal do que a conhecida. No desamparo, em que também as instituições se desfazem, resta crer. E resta crer mesmo para aqueles não religiosos, no sentido estrito. E resta crer não apenas numa religião, mas em uma realidade que, se não é real no sentido de corresponder aos fatos, se torna real para quem nela acredita. Nesta proposição, a mediação da realidade pela crença seria uma adaptação à emergência climática que, em vez de enfrentá-la, a agrava.”

O presidente Jair Bolsonaro acena a apoiadores, aglomerados em plena pandemia de covid-19, em março. JOÉDSON ALVES/EFE (Reprodução do El País)

O presidente Jair Bolsonaro acena a apoiadores, aglomerados em plena pandemia de covid-19, em março. JOÉDSON ALVES/EFE (Reprodução do El País)

Leia no El País

 

 

Como funciona o golpe de Bolsonaro

No golpe de Jair Bolsonaro, as instituições seguem funcionando sem funcionar contra ele. Uma Suprema Corte que, em vez de cumprir a Constituição quando o presidente a afronta em praça pública, faz mais um discurso. Uma Câmara de Deputados cujo presidente, Arthur Lira, está sentado sobre 130 pedidos de impeachment porque Bolsonaro garante a ele e a sua turma dinheiro público à vontade. Uma Procuradoria-Geral da República cujo procurador-geral, Augusto Aras, é um colaboracionista que espera ser premiado por Bolsonaro com uma cadeira no Supremo. Para que ter o trabalho de promover cenas de golpe clássico, que chamam a atenção do mundo, se é mais efetivo contar com a covardia de uns e a corrupção de outros?

Faixa na avenida Paulista pede o impeachment de Jair Bolsonaro durante o protesto do último domingo, na avenida Paulista. FERNANDO BIZERRA / EFE (Reprodução do El País)

Faixa na avenida Paulista pede o impeachment de Jair Bolsonaro durante o protesto do último domingo, na avenida Paulista. FERNANDO BIZERRA / EFE (Reprodução do El País)

Leia no El País (em português e em espanhol)

O dia seguinte

Se Bolsonaro ameaça o Supremo em plena Paulista e o impeachment não sair da gaveta, ele ganhou o 7 de Setembro e a democracia acabou no Brasil.

Apoiadores do presidente Bolsonaro participam de atos com pauta antidemocrática em São Paulo, no dia 7 de Setembro de 2021. DPA VÍA EUROPA PRESS / EUROPA PRESS (Reprodução do El País)

Apoiadores do presidente Bolsonaro participam de atos com pauta antidemocrática em São Paulo, no dia 7 de Setembro de 2021. DPA VÍA EUROPA PRESS / EUROPA PRESS (Reprodução do El País)

Leia no El País (a coluna está aberta, basta ter ou fazer cadastro)

Página 1 de 5912345...102030...Última »